Papas de Aveia à moda de Reservatório de Sensações

Partilha a tua sensação
Desengane-se quem acha que mudar para o campo é sinónimo de slow living. Já lá vão três meses (mais coisa menos coisa) e não me lembro de que quando foi o último fim-de-semana em que me sentei no sofá sossegadinha a ver o tempo passar. Bem, também diga-se que se há coisa que não aprecio é estar sentada no sofá, aparecem sempre uns bichos-carpinteiros malandros. Mas percebem o que quero dizer, certo? No campo, mesmo que o meu campo para já se resuma a 10 metros quadros de jardim, há sempre tanto para fazer. Folhas para apanhar, jardim para renovar, planear o jardim vertical, armazenar lenha já a pensar no inverno (já???), passear a cãomiúda, colher o que o campo nos dá, voltar a plantar as flores que a cãomiúda arranca, sentir o sol.





 Todavia, não me arrependo nada desta mudança. Sou mulher de campo, de aldeia, sempre o disse, sempre o senti. Claro que a diferença é que nos dias que correm tenho de conciliar as mais de oito horas de vivência diária na cidade, com os transportes, com as rotinas de casa, da família e do campo. Mais ritmo, mais trabalho, menos horas de sono. Um cansaço que vale a pena. Todas as noites de céu limpo tenho milhares de estrelas só para mim, para me conduzirem em sonhos lindos. Contudo, há uma coisa que me chateia. A falta de tempo para a cozinha. Ultimamente, os dias são habitados por receitas express, daquelas que se confeccionam rapidamente e ao mesmo tempo que deitamos mão a tantas outras tarefas.






Mas é curioso como uma destas receitas, embora rápida de fazer está tão intimamente ligada a uma transformação pessoal. Com a mudança para o campo, com um maior cansaço no lombo, comecei a sentir que o meu pequeno-almoço precisava de me dar realmente energia. Algo que não estava conseguir obter do sempre habitual pequeno-almoço de torradas e chá. Confesso, que a mudança é recente e nada tem a ver com as dietas da moda, da comida saudável, etc. Obviamente, que se comermos de forma saudável seremos mais enérgicos, mais bem-dispostos e por aí fora. Mas esta mudança teve apenas e só a ver com a necessidade de eu não passar os dias moribunda, sempre cheia de fome. Portanto, desde há umas semanas para cá, inicio os meus dias em modo aveia, trigo sarraceno, espelta. Uma maravilha que me tem ajudado imenso. Devem estar a pensar. "Oh, não, ela vai mesmo partilhar uma mera receita de papas de aveia. Quando o que mais há na net são receitas de aveia." Sim é verdade, e acreditem não têm nada de especial. Mas esta receita tem contribuído para a minha felicidade. E só por isso merece vir parar ao meu Reservatório de Sensações.



Papas de Aveia à moda de Reservatório de Sensações


Ingredientes
40g de flocos de aveia
150ml de água
geleia de coco
amoras brancas
bagas goji
fruta

Num pequeno tacho juntamos a aveia e a água, levamos a lume brando. Mexemos sempre para evitar que a aveia agarre ao fundo do tacho. Quando tiver a consistência de papa cremosa (demora entre cinco a dez minutos) vertemos para uma taça. Adicionamos raspa de limão ou algumas gotas de limão. Mexemos bem novamente. Juntamos uma colher de sobremesa de geleia de coco, amoras brancas, pepitas de cacau cru, bagas goji e fruta a gosto (como por exemplo Kumquats). Está pronta a comer.
Próximo publicaçãoMensagem mais recente Publicação anteriorMensagem antiga Página inicial

0 A partilhar sensações: